Segundo dia do Congresso Mundial de Águas Subterrâneas alertou para os problemas da ilegalidade dos poços e contaminação por fármacos e outras substâncias

O Congresso Mundial de Águas Subterrâneas https://iah2021brazil.org/ conseguiu manter no em seu segundo dia de atividades, o mesmo sucesso da abertura. O interesse do público pelos temas abordados ficou evidente pela participação nos painéis e grande volume de perguntas, troca de experiências e de informações.

 Na parte da manhã, três grandes “craques” internacionais deram contribuições valiosas sobre o aumento do número de poços clandestinos no mundo e tudo o que envolve a ilegalidade: Stephen Foster, da University College London, Ricardo Hirata Ricardo Hirata, diretor das CEPAS – Centro de Pesquisas de Águas Subterrâneas da USP e vice-presidente da ABAS e o Emilio Custódio, professor emérito de Hidrologia de Águas Subterrâneas da Escola de Engenharia Civil, Universidade Politécnica da Catalunha, Barcelona.

Os “mestres” sensibilizaram a audiência tocando em pontos vitais como as consequencias para a sociedade e meio-ambiente da captação não controlada, as responsabilidades nas licenças de uso, as lacunas nas governaças, entre outras.  

Trouxeram ainda experiências positivas e apontaram caminhos relacionados à gestão que estão sendo implantadas com sucesso em várias partes do planeta.

No período da tarde, as discussões sobre Novos Contaminantes de Interesse em Águas Subterrâneas também tiveram grande repercussão. Rodrigo Cunha, Coordenador do Curso de Remediação de Áreas Contaminadas do SENAC, Aluísio Soares, Diretor Técnico da EVA WAY Projetos Ambientais e Willem Takiya, coordenador ambiental da Arcadis relataram um pouco de sua vasta experiência com a análise de produtos de uso pessoal e industrial cujo destino final é a água.

Esses produtos, também chamados de contaminantes emergentes ou de interesse, não são removidos ou eliminados pelos processos tradicionais de tratamento de água para consumo humano. São remédios para dor de cabeça, hormônios, cafeína, produtos de cuidado pessoal e inúmeros outros que, por serem tóxicos,  ao chegarem às águas subterrâneas podem trazer  graves problemas  para a saúde,  já que as elas  alimentam rios, lagos e poços. 

Ao mesmo tempo, os especialistas deram boas notícias sobre  as possiveis soluções: os avanços técnicos e científicos, os trabalhos realizados e os resutados de pesquisas recentes sobre o assunto.

Nesta quarta, 23 de setembro, o Congresso traz outros assuntos de grande relevancia para o Brasil e para o mundo: Águas Subterrâneas e Mudanças Climáticas, no periodo da manhã, às 11h30 e os Avanços legais para o uso das Águas Subterrâneas no Brasil, com destaque para o novo Marco do Saneamento, a partir das 16h00.

Para falar sobre de questões climáticas teremos Alice Aureli, da Divisão de Ciências da Água da UNESCO e Carlos Molano, Vice Presidente da América Latina e Caribe da IAH – Associação Internacional dos Hidrogeólogos.  A coordenação será de Ricardo Andrade, Diretor da ANA – Agência Nacional de Águas.

Já o painel programado para o período da tarde, que trata de conquistas legais e o Novo Marco Regulatório brasileiro terá a coordenação será do presidente da ABAS José Paulo Netto, com a participação do Geólogo Claudio Pereira de Oliveira, ex- presidente da ABAS e do advogado Wladimir Antonio Ribeiro, consultor do Governo Federal na LNSB 11.445, responsável pela concepção jurídica da Lei de Consórcios Públicos, da Lei Nacional de Saneamento Básico e da Lei da Política Nacional de Resíduos Sólidos. 

Não perca! O evento é online e gratuito  https://iah2021brazil.org/

Prezado participante do Congresso Mundial de Águas Subterrâneas (47th IAH Brazil Congress),

Muito obrigado pela sua participação no evento! Temos algumas informações importantes para você:

  • Clique aqui para baixar o certificado de participação 

Para eventuais esclarecimentos: iah2020@abas.org